Família, Negócios

Cuidando das relações: família e empresa

11 de julho de 2017

As novas configurações da família nesse último século tais com: as mudanças do papel da mulher na sociedade, a inteligência aguçada das crianças, os avanços tecnológicos abrindo caminho para a globalização da comunicação de forma extensa e intensa, formatos diversos compondo novos grupos familiares, a velocidade das informações e as revoluções políticas, são fatores que convidam o indivíduo a se pensar no mundo enquanto ser biopsicossocial, diante das transformações que ocorrem de forma acelerada ao seu redor, manter seus posicionamentos ou reposicionamentos e adequações cotidianas que se tornam extremamente necessárias nos dias atuais.

          Nessa avalanche de mudanças, a família segue seu rumo, tentando se manter, atendendo aos seus deveres e desafios como primeira humanidade que nos alberga em seu colo.

Na busca do equilíbrio econômico, a família abre nesses últimos tempos empreendimentos que permanecem por gerações, configurando as chamadas empresas familiares, que desponta como grande força atuante, gerando empregos, rendas e negócios promissores.

          Temos visto em nossas experiências no Instituto Empresariar, instituição brasileira especializada em empresas familiares, que os herdeiros que adentram nos desafios dos negócios da família, enfrentam problemas e conflitos gerados no próprio ninho que a compõe, surgindo demandas complexas. Torna-se então de fundamental importância, pensar na questão da qualidade de vida nas empresas familiares, uma vez que é no seio familiar que se estabelece os primeiros laços de uma relação, que vai se estender para além do lar e alcançar os espaços empresariais.

           Basicamente as movimentações dessas duas estâncias, familia e empresa, se interligam e se interpenetram, produzindo diversas expressões afetivas, psicológicas e sociais. Essa realidade abre um campo vasto de pesquisa sobre essa nova roupagem das empresas bem como uma nova forma da família interagir entre si.

           O pai, a mãe, os filhos, ligados a uma empresa, precisam de esclarecimentos sobre como transitar entres esses dois universos que exigem de cada um, posturas diferençadas frente às demandas de cada contexto. Caso essas relações não sejam trabalhadas, de modo que não tragam a empresa para dentro do lar, ou que não levem o lar para dentro da empresa, o funcionamento desses dois espaços pode trazer conflitos diversos, contribuindo para não sobrevivência do negócio e da família. Faz-se necessário auxilio e desenvolvimento de métodos e especialistas em empresas familiares para viabilizar relações sustentáveis.

          Tratando dos novos sucessores, esses que ainda estão em formação da personalidade, da identidade, carecem de maiores cuidados pois podem passar a ver a própria empresa, como movimento destruidor ou modificador das pessoas que eles amam, podendo assim vir a ter um olhar distorcido sobre aquilo que um dia irá assumir. A construção desse saudável convívio deve ser permeada com uma apurada percepção dos gestores, onde os mesmos possam de forma harmoniosa, administrar tanto o mundo dos negócios como suas relações familiares.

          Hoje existem métodos psicoterapêuticos utilizados para trabalhar justamente tais questões que inquietam o mundo empresarial. Ter harmonia familiar dentro de uma empresa onde essa família vem a participar, separar esses espaços dentro das condições possíveis, posto que totalmente seria ilusão já que como subjetividades presentes, não se pode impedir os básicos choques das diferenças no campo da convivência diária.

          São esses os desafios que assaltam as empresas familiares, muitas vezes como fantasmas que destroem os nobres projetos. Porém quando estas se comprometem a buscar entendimento acerca do funcionamento saudável das duas forças, família e empresa, o sucesso se torna viável quando o valor afetivo caminha lado a lado com o fator profissional, promovendo realizações felizes, construindo equilíbrio e progressos constantes.

Fiquemos atentos ao que nos alerta Cicero Rocha, referência em empresas familiares no Brasil: “Não é somente as famílias que destroem os negócios, mas os negócios também destroem às famílias”.

 

Vanuza Ferraz, Psicóloga e consultora especialista em empresas familiares pelo Instituto Empresariar – 

<